LIBRE no GT de Internacionalização da Literatura

A Diretora de Relações Institucionais da LIBRE, Rosana de Mont’Alverne Neto esteve no último dia 6 de fevereiro na primeira reunião do ano do Grupo de Trabalho de Internacionalização da Literatura Brasileira, no MinC, em Brasília. Compartilhamos com os associados as informações principais do evento:

A reunião foi aberta pelo Mansur Bassit, Secretário da Economia da Cultura do MinC e coordenada pelo Guilherme Relvas, Diretor do Departamento do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB) do MinC, que informou estar em curso a elaboração de uma Portaria que instituirá formalmente e regulamentará o GT. A Diretora destacou, para a LIBRE, os pontos mais relevantes da reunião:

1 – presença de Fabrício Tanure, Assessor do Ministro da Cultura para assuntos do Projeto Brasil 200 Anos – celebração nacional em torno dos 200 anos da independência do Brasil, que se dará em 2022. Fabrício informou que não só a preparação do evento, mas as programações já começam em 2018 e se estenderão até 2022. O grande objetivo é valorizar nossa história, nossa cultura e nossos ícones, ampliando o conceito de “independência”: do país, da sociedade e dos indivíduos. Segundo ele, “a missão é engajar os brasileiros na criação de um projeto de país para o século XXI”. O projeto Brasil 200 anos será lançado, inicialmente, em plataforma digital, porém ainda não há previsão de data. Mansur Bassit sugeriu a divulgação do tema nas feiras internacionais. Fabrício encerrou pedindo a todos que enviassem sugestão de TEMA, como um slogan.

Sugestão da Diretora: O discurso do Fabrício Tanure é propositivo, mas carece de consistência, descrição de etapas, orçamento, fontes orçamentárias, órgãos envolvidos, distribuição de competências. A sugestão é que editoras da LIBRE, que tenham obras a respeito do assunto, poderão reivindicar recursos do MinC para tradução em inglês, francês, alemão e espanhol. Quem quiser contribuir com a sugestão do tema, a hora é agora. A ideia é boa: quem sabe a partir de 2019, com um novo Governo, o projeto deslancha?

2 – Foi distribuída uma planilha das Feiras Internacionais em 2018 onde o Brasil será participante, a saber: Paris, Bolonha, Londres, Bogotá, Buenos Aires, Shangai, Frankfurt, Sharjah, Guadalajara.

Os dois representantes do MRE (Ministério das Relações Exteriores), Beatriz Goes e Gustavo de Sá, reclamaram de escassez de recursos e informaram que o MRE vai comprar “menos espaço” para o estande brasileiro. Afirmaram que, neste ano eleitoral, os repasses serão liberados até 07 de julho e depois do 2º turno das eleições.

Quanto à presença de livros nas prateleiras dos estandes internacionais, observa-se que no MinC não há um planejamento e vontade política para colocar a cara do Brasil nas feiras internacionais, é tudo feito com muito improviso. Se a LIBRE quiser, de fato, propiciar a participação de suas editoras associadas nessas feiras, é necessário – com urgência – pensar em estratégias, planejamento e ações. Foi sugerido o início de um “debate de ideias”. Talvez, na próxima reunião do GT (prevista para dia 6 de março), já seria possível levar um ofício ou mesmo uma apresentação em PPT para expor os interesses e reivindicações dos Editores da LIBRE.

A Diretora, conforme informação dos representantes que participaram da reunião por Skype, lembrou que o Edital de Apoio à Tradução da FBN “está garantido”. Vamos torcer!

3 – Conclusões: Luiz Alvaro (BrazilianPublishers) questionou “qual o modelo de participação o Brasil vai ter nas Feiras Internacionais?”. Muito pertinente e oportuno o questionamento! Se os editores brasileiros pretendem, de fato, internacionalizar obras e autores, precisam ir à luta, começando a pensar nesse “modelo”.

A Diretora sugeriu, na reunião, um Programa específico do MinC/MRE/CBL-BP para levar EDITORES para as Feiras Internacionais. Foi citado o exemplo do Fellowship parisiense – consultem em: https://www.bief.org/Operation-4063-Fellowship/Fellowship-a-Paris-2018.html. Ponderou que é necessário aprender viajando, visitando editoras, trocando experiências, comparando custos, etc., porém o MinC e os demais entes públicos envolvidos têm de fazer a parte deles.

Proposta: a LIBRE debateria o assunto e apresentaria uma proposta para o MinC/MRE para a próxima reunião.

4 – A Cíntia (MinC), sugeriu um Calendário Brasileiro de Feiras, Festas, Festivais, Bienais e Salões Literários. Pediu que enviássemos as informações de nossos estados. Aqui em Minas a Câmara Mineira do Livro (CML), que ora presido, já tem pronto o Calendário 2018 de Feiras e Festivais Literários. 😉

Cordialmente,

Rosana de Mont’Alverne Neto
Diretora de Relações Institucionais da LIBRE

 

Confira o Projeto brasil 200 anos em:

Brasil-200-anos_apresentação

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *