Posts

,

Flip 2018: Casa Libre & Nuvem de Livros debate ‘Leitura, gesto político’

Confirmada pelo quinto ano seguido, programação da casa parceira do festival de Paraty discutirá possibilidades de formação do pensamento crítico a partir da leitura.

 

O educador Paulo Freire (1921 – 1997) dizia: “Fora da leitura, o que há é alienação. Daí, a manipulação e a submissão. Ler é um ato político, essencialmente”. Leitura, gesto político é o tema que conduzirá os debates na Casa Libre & Nuvem de Livros, programação parceira da 16ª Feira Literária Internacional de Paraty (Flip 2018), que será realizada entre 25 e 29 de julho no Rio de Janeiro. A casa funcionará de 26 a 30 de julho, das 11h às 22h, na Rua da Lapa, 8, Centro Histórico de Paraty. A Liga Brasileira de Editoras (Libre) — associação de editoras independentes com maior representatividade no Brasil — e a Nuvem de Livros — biblioteca virtual por assinatura que reúne títulos de inúmeras editoras e outros conteúdos — renovam, assim, a bem-sucedida parceria no festival, iniciada em 2014.

O tema defendido na Casa Libre & Nuvem de Livros parte da premissa de que a leitura instaura um campo de presença e encontro com outros saberes, facilitando diálogos e trocas atemporais, contribuindo desta forma com a potencialização e construção de novas consciências. “Pelo quinto ano consecutivo, a Libre, em parceria com a Nuvem de Livros, traz uma discussão contundente para a Flip. Discutir o papel da leitura é discutir o mundo. É discutir as possibilidade de formação de novos leitores e que estes sejam atentos e reflexivos. Discutir leitura é fugir da alienação que parece nos rondar. O mercado editorial precisa entender que, para o crescimento do número de leitores, é preciso incentivo e formação de seres pensantes”, diz Raquel Menezes, presidente da Libre.

“A Libre e a Nuvem de Livros esperam que a leitura possa ‘gestar-se’ em novos territórios para novos sujeitos, fomentando resiliência e transformação, engendrando sonhos, construindo pontes e abrindo caminhos possíveis ao crescimento sociocultural. Afinal, é lendo que se desenvolve o pensamento crítico”, ressalta Roberto Bahiense, CEO da Nuvem de Livros.
Durante cinco dias, escritores e demais profissionais do mercado editorial, jornalistas e acadêmicos participarão de debates na Casa Libre & Nuvem de Livros. Uma das mesas já confirmadas, no dia 27 de julho, às 16h, discutirá sobre Representatividade na literatura e nos festivais literários, com participação das escritoras Paloma Franca Amorim, que escreve às quartas-feiras para o jornal paraense ‘O Liberal’, Guiomar de Grammont, organizadora do Fórum das Letras de Ouro Preto, e Gisele Corrêa Ferreira, curadora e organizadora do Flipoços, o evento literário de Poços de Caldas. Doutor em Literatura Brasileira, jornalista e escritor, Haroldo Ceravolo será o mediador. O encontro será propício para debater a necessidade de haver diversidade étnica, racial e de gênero nos eventos de literatura. A ausência de escritoras mulheres e não brancas na XXII Feira Pan-Amazônica do Livro, do Pará, por exemplo, foi recentemente alvo de críticas tecidas por Paloma Franca Amorim em artigos publicados na imprensa.

Também no dia 27, às 21h, o Encontrão de Poetas chega à Casa Libre & Nuvem de Livros para reunir poetas e leitores de poesia, e lançar as plaquetes do projeto Coopoesia: coletivos de poesia na cidade do Rio de Janeiro. A noite de leitura e performance vai contar com as poetas Ana Carolina Assis, integrante do coletivo Oficina Experimental de Poesia, Estela Rosa e Taís Bravo, que tocam o projeto Mulheres que Escrevem, entre outros convidados. Durante o ano, o Encontrão de Poetas é realizado no Morro da Conceição, no Rio, pelo coletivo A Mesa, que promove projetos em artes visuais e poesia.

O público que costuma prestigiar a Casa Libre & Nuvem de Livros desde 2014 já comparece com a expectativa de desfrutar, naquele espaço, do aprofundamento sobre a análise da realidade brasileira. Isso aconteceu, por exemplo, durante as históricas conferências de Leonardo Boff e Marcelo Freixo Lázaro Ramos, Conceição Evaristo, Chico Alencar na edição 2016. Em 2017, a programação se aprofundou sobre como a leitura pode contribuir para a superação das graves crises que o Brasil atravessa, como forma de resistência política.

Constituída em 2002, a Libre congrega cerca de 130 editoras de diversas regiões do país em defesa da bibliodiversidade, termo que se refere à necessidade de diversidade na produção editorial e nos acervos disponibilizados aos leitores em bibliotecas, livrarias e outros ambientes. A bibliodiversidade está relacionada à própria ideia de diversidade cultural — é a garantia de que o mercado do livro ajude a construir uma sociedade que respeite e promova a democracia e a diversidade de cultura, política e de gênero. Associada à Aliança Internacional dos Editores Independentes, com sede em Paris, a Libre é a maior rede do mundo dentro de tal segmento editorial.

A Nuvem de Livros é uma biblioteca em nuvem que permite a consulta ao seu acervo em um ambiente com acesso controlado e licenciado, absolutamente seguro, ideal para escolas, universidades e famílias, reunindo milhares de livros, vídeos e conteúdos interativos. Após aderir ao serviço, o usuário pode acessar romances, biografias, coletâneas de contos, crônicas, poesias, ensaios, novelas e vários outros gêneros literários, além de atlas, enciclopédias e dicionários. Também compõem a plataforma audiolivros, audiocursos, entrevistas com importantes e premiados autores e produtores culturais, vídeos sobre literatura e saúde, reforço escolar e visitas guiadas aos mais respeitados museus do mundo.

Neste ano, o espaço conta com o apoio da Metabooks, plataforma de gerenciamento de metadados integrada ao sistema de editores e livreiros, da gráfica Forma Certa, da Bibliomundi, plataforma de autopublicação e distribuição de e-books e do Quindim, clube de leitura infantil.