Editoras independentes são destaque no Prêmio São Paulo de Literatura 2013

Editoras independentes são destaque no Prêmio São Paulo de Literatura 2013

Nesta segunda-feira, 25 de novembro, foi anunciado o resultado final do Prêmio São Paulo de Literatura 2013. A premiação escolheu os melhores romances em língua portuguesa, em todo o país. Foi uma grande noite para as editoras independentes, que se destacaram nas categorias de autores estreantes, abaixo e acima de 40 anos. Títulos de pequenas e médias, como a Patuá, 7LetrasIluminuras, Editora da Cidade, Scriptum e Prólogo marcaram a lista de finalistas.

O mineiro Jacques Fux e a paulista Paula Fábrio se consagraram como melhores autores estreantes, com Antiterapias (Scriptum) e Desnorteio (Patuá), respectivamente, ganhando R$ 100 mil cada um. Daniel Galera, com o livro Barba ensopada de sangue (Cia das Letras) levou os 200 mil do prêmio de melhor livro do ano.

Ao todo, 168 livros entraram na competição na sexta edição do Prêmio – todos romances publicados em 2012, de escritores de vários estados brasileiros. “O Prêmio é um estímulo para que todos os escritores brasileiros continuem produzindo com qualidade”, afirma o Secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo.

O Prêmio São Paulo de Literatura integra um conjunto de ações da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo que visam valorizar a produção literária e incentivar a leitura. “O Prêmio estimula a leitura na medida em que indica aos leitores o que de melhor foi publicado no País a cada ano. Além disso, a promoção de bate-papos com os finalistas aproxima escritores e público, o que é também muito importante”, afirma Adriana Cybele Ferrari, coordenadora da Unidade de Bibliotecas e Leitura, que coordena o Prêmio.

Este ano, o Prêmio São Paulo de Literatura realizou nove encontros com os autores, incluindo quatro na Biblioteca de São Paulo, na Capital; além dos municípios de Lençóis Paulista, Garça, Guararema, Presidente Prudente e Itanhaém.

Para o júri do Prêmio São Paulo de Literatura, Antiterapias, de Jacques Fux, é uma “grande revelação” com sua “prosa dilacerante”. Ele recebeu o Prêmio de autor estreante com menos de 40 anos “pela intensidade dramática, pelo olhar arguto e pela prosa poética com que arregimenta sua narrativa, a obra é uma grata novidade no cenário atual de nossa produção literária”, ressaltam os jurados em sua justificativa.

Paula Fábrio é autora de Desnorteio, que trata da trajetória de três irmãos que passam a viver da mendicância na segunda metade do século XX, no interior de São Paulo. Segundo o júri, que a escolheu como melhor autora estreante com mais de 40 anos, “Paula Fábrio dignifica o estado mental de seus personagens com um extremado zelo poético. A autora retrata com precisão o desassossego e a miséria”.

Em Barba Ensopada de Sangue, de Daniel Galera, considerado o melhor livro do ano, os jurados destacam a construção do personagem principal, um professor de educação física que tenta desvendar o que está por trás da morte misteriosa do avô, em um vilarejo de pescadores. “Fica, deste grande romance, a impressão de que não lembraremos do rosto do personagem, mas do traçado que ele deixa nas águas da literatura contemporânea”, observou o júri.

Histórico
O Prêmio São Paulo de Literatura foi criado em 2008 pelo Governo do Estado de Sãs Paulo como forma de valorizar a produção literária, estimular novos autores e incentivar a leitura. Hoje, está entre os prêmios literários de maior visibilidade no País e vem ajudando a divulgar obras e autores que se tornam relevantes no cenário nacional.

Desde que foi criado, o Prêmio teve participação de um total de 1.177 livros, premiou 13 romances e, assim, contribuiu de forma decisiva para dar visibilidade não só às obras vencedoras, mas também aos trabalhos finalistas.

webmaster@criatudo.com.br

Deixe uma resposta